• Raquel C. F. Marques

Como a Covid-19 influenciou o empreendedorismo no Brasil?


Sabemos que a pandemia refletiu diretamente na economia, não só no Brasil, mas no mundo todo. Segundo dados do Confederação Nacional da Indústria (CNI) com base em informações da Organização Mundial do Comércio (OMC), o setor de comércio e serviço teve queda de 26% ao longo de 2020, comercializando cerca de 75 bilhões de dólares.


Apesar disto, o brasileiro tem visto nessa crise a oportunidade de inovar e empreender. Entre 7 de março e 4 de julho de 2020, o Portal do Empreendedor registrou 551.153 novos microempreendedores no país, 16.788 a mais do que no mesmo período de 2019. Se por um lado vários negócios fecharam, por outro, foram abertas 2,3 milhões de novas empresas, empresas estas que buscaram se adaptar e criar novas soluções de empreender em meio a uma pandemia.


Uma área que vem ganhando cada vez mais espaço é o e-commerce, que conseguiu bater recorde de faturamento em 2020, chegando a mais de R$ 87 bilhões, de acordo com a Ebit/Nielsen. A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), mostrou que desde o início da pandemia mais de 135 mil lojas aderiram às vendas pelo comércio eletrônico para continuar vendendo e mantendo-se no mercado, sendo que a média mensal antes de tudo isso acontecer era de dez mil lojas por mês.


Fonte: www.mercadoeconsumo.com.br



Impulsionados pela crise gerada pela pandemia da Covid-19, os brasileiros estão buscando por meio do empreendedorismo uma nova alternativa de renda. Com base nisso, estimasse de acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) que aproximadamente 25% da população adulta estarão envolvidos, até o fim do ano, na abertura de um novo negócio ou com uma empresa com até 3,5 anos de atividade.


Alguns modelos de negócios que se mostraram crescente neste cenário, foram:

- Marketplace, o bom desta opção é que você pode operar no seu próprio ou vendendo dentro de outros.

- Loja virtual, ótima opção para que quem busca ter seu próprio negócio digital.

- Consultoria, assim como nós da IMar Jr. trabalhamos neste nicho com área voltada para ambiental, esta é uma ótima opção para você que entende com excelência de algum assunto!


Porém, a pandemia claramente também trouxe pontos negativos para os empreendedores, estando diretamente relacionada à saúde mental destes. Estudos realizados pela Troposlab, mostraram que, 51,1% dos empreendedores tiveram suas vidas impactadas pela pandemia, no entanto, se sentiam bem a maior parte do tempo. Por outro lado, 24,9% dos empreendedores afirmaram que foram afetados significativamente.


Além do impacto na saúde mental dos empreendedores, outros resultados apontam que; as mulheres apresentam maior intensidade dos sintomas para ansiedade (28,5%), quando comparado aos homens (22,2%), estresse (5,36%) e nos homens (5,22%) e também uma maior prevalência para a depressão (10,4% nas mulheres, e homens com 3,4%). Essa pesquisa também evidenciou que, durante a crise de covid-19, os empreendedores que conseguiram elaborar um plano de contingência para o enfrentamento dos impactos da pandemia nos negócios, conseguiram ter maior sucesso, assim como menor efeitos adversos em termos de ansiedade e depressão.


Fontes:

https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-10/pandemia-faz-brasil-ter-recorde-de-novos-empreendedores

https://mercadoeconsumo.com.br/2020/07/10/pandemia-impulsionou-a-criacao-de-135-mil-lojas-no-e-commerce/

https://www.toxicologiapardini.com.br/saude-mental-empreendedores-pandemia/

https://www.ideianoar.com.br/empreendedorismo-na-pandemia/

https://forbes.com.br/escolhas-do-editor/2020/07/empreendedorismo-na-pandemia-13-negocios-que-surgiram-durante-a-crise-de-covid-19/



111 visualizações

CONHEÇA

NOSSOS

SERVIÇOS

  • insta
  • facebook
  • linkedin